“Visões de um poema sujo” e "Movimento Constante – esculturas de Paulo Otavio”

De 25 de Janeiro a 26 de março de 2017

  • Exposição "Visões de um poema Sujo"
  • Exposição "Visões de um poema Sujo"
  • Exposição "Visões de um poema Sujo"
  • Exposição "Movimento Constante - esculturas de Paulo Otavio"
  • Exposição "Movimento Constante - esculturas de Paulo Otavio"

Museu Afro Brasil abre novas exposições em comemoração ao aniversário da cidade de São Paulo

Fotografias de Márcio Vasconcelos revisitam texto escrito por Ferreira Gullar há 40 anos. Exposição “Visões de um poema sujo” e livro de mesmo nome celebram os 463 anos da cidade juntamente com “Movimento Constante – esculturas de Paulo Otavio”

O Museu Afro Brasil, instituição da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, comemora o Aniversário da cidade de São Paulo com duas exposições e lançamento de publicação no dia 25 de janeiro (quarta-feira), às 11h. “Visões de um poema sujo” revisita a obra de Ferreira Gullar - falecido no último dia 04 de dezembro, através de imagens do fotógrafo Márcio Vasconcelos em livro e exposição de mesmo nome e curadoria de Diógenes Moura. A programação cultural também inclui a inauguração da mostra “Movimento Constante – esculturas de Paulo Otavio”.


Visões de um poema sujo
Atual, mesmo quatro décadas depois, o Poema Sujo escrito por Ferreira Gullar durante exílio na Argentina, foi recentemente reeditado e agora é também revisitado em forma inédita: a fotografia. De São Luis, como o escritor, o fotógrafo Márcio Vasconcelos se debruçou durante meses sobre a obra com o objetivo de reinventar, pela fotografia, os locais, pessoas e sensações descritas num momento tão importante da história do país. “Crio sensações visuais como se estivesse no lugar dele. Como seria essa São Luís? Quais os tons, nuances? ”, explica Márcio.

O projeto, já premiado em 2014 com o Marc Ferrez de Fotografia, ganhou novas imagens, textos de Diógenes Moura e Celso Borges. A publicação, pela editora Vento Leste, Visões de um Poema Sujo, tem 95 imagens coloridas e será lançado dia 25 de janeiro, com a exposição de mesmo nome, que contará com 80 obras.

Foram convidados os artistas maranhenses Rita Benneditto e Zeca Baleiro para interpretar trechos do Poema Sujo e do imaginário popular do Maranhão. Na exposição, a sala PALAVRA será montada para se ouvir as vozes de Gullar, Zeca, Rita, Jorge da Fé em Deus (falecido babalorixá importante do Maranhão), Marcelo Preto (grupo A Barca, paulista) e Zezé Meneses (Filha de Santo da Casa Fanti Ashanti).

"Eu pego o que tem de escuro, de sujo, as cadeiras velhas, os armários velhos, e coloco uma luz. Vou até embaixo, no fundo, e subo trazendo tudo junto: o que é poesia e o que não é poesia”, diz Ferreira Gullar sobre o título do poema. E é esse realismo caricatural de Gullar, lembranças de sua infância, cenas do cotidiano, que Márcio captura em suas lentes.


Movimento Constante – esculturas de Paulo Otavio
A partir de sua experiência como designer gráfico - que, a princípio, trabalha com linhas, formas e equilíbrio no plano bidimensional - o artista paulistano Paulo Otavio passa à tridimensionalidade, explorando as formas fundamentais encontradas na natureza e no cotidiano universal, nas 22 esculturas que compõem a mostra Movimento Constante – esculturas de Paulo Otavio, que ficará em exposição no Museu Afro Brasil a partir do dia 25.
Tais formas, nas palavras de Paulo Otavio, ”são referentes ao remoto tempo das teorias geométricas, utilizadas desde sempre nas diversas civilizações, na manipulação do homem sobre a matéria, nas construções, nos objetos. Dessa maneira, não pertencem a esse passado nem ao futuro. São permanentes, atemporais.”
Na série que o artista traz ao Museu Afro Brasil, o artista trabalha a partir do círculo – a forma primordial, do todo – e potencializa linhas e volumes. O trabalho, com poética própria, traz também a herança do construtivismo russo e do neoconcreto brasileiro – movimentos que também se relacionam com o design gráfico. Nas peças mais recentes a essência da forma pura se apresenta em suaves e precisos volumes.
Designer gráfico há 30 anos, o artista Paulo Otavio produz esculturas em aço carbono, tendo iniciado na técnica com Marcelo Mello em 2007. Realizou, em janeiro de 2012, uma mostra na Estação Luz do Metrô de São Paulo, integrando o projeto Linha da Cultura.

SERVIÇO: 

Visões de um poema sujo
  • Lançamento do Livro e abertura da exposição: 25 de janeiro de 2017 – 11h
  • Encerramento: 26 de março de 2017
#fotografia #VisõesDeUmPoemaSujo #FerreiraGullar #MarcioVasconcelos #DiogenesMoura


Movimento Constante – esculturas de Paulo Otavio
  • Abertura da exposição: 25 de janeiro de 2017 – 11h
  • Encerramento: 26 de março de 2017
#escultura #PauloOtavio #MovimentoConstante

Museu Afro Brasil
Av. Pedro Álvares Cabral, s/n
Parque Ibirapuera - Portão 10
São Paulo / SP - 04094 050
Fone: 55 11 3320-8900
www.museuafrobrasil.org.br

Entrada R$ 6,00 | Meia entrada R$ 3,00 | Gratuito aos sábados

Informações para a imprensa - Museu Afro Brasil
Luiza Magalhães (11) 3320-8940 | luiza.magalhaes@museuafrobrasil.org.br
Natalia Moriyama (11) 3320-8914 | natalia@museuafrobrasil.org.br
Informações para a imprensa - Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo 
Viviane Ferreira (11) 3339 8243 | viferreira@sp.gov.br
Gisele Turteltaub (11) 3339-8162 | 
gisele@sp.gov.br